quinta-feira, 22 de abril de 2010

Os "outros" melhores filmes do ano






Em entrevista à Ípsilon, Nuno Sena, um dos programadores do IndieLisboa, define o festival como "Os melhores filmes do ano em versão alternativa". E a verdade é esta, sem tirar nem por. A 7ª edição do Festival Internacional de Cinema Independente de Lisboa conta em 2010 com uma das programações mais ricas que já teve. O segredo? Talvez a escassez de grandes nomes por entre os convidados. Isso faz com que a concentração nas obras seleccionadas seja maior e com grande foco para o público.

Começa hoje com Fantasia Lusitana de João Canijo (pela primeira vez um filme protuguês) e tem pelas 19.00h inauguração definitiva com a película Greenberg de Noah Baumbach, realizador fortemente aclamado pela sua longa-metragem A Lula e a Baleia. Prolonga-se até 2 de Maio nos cinemas cinemas Londres, Classic Alvalade e São Jorge e nos dois auditórios da Culturgest. Podemos ainda definir o IndiLisboa10 como uma compilação do melhor que correu pelos Festivais Internacionais de Cannes, Veneza, Berlim, Turim ou Montreal, sumarizando um cinema mundial e não apenas americano ou inglês/europeu. Algumas das películas ainda estrearão em circuito comercial, mas a maior parte tem mostragem única no festival para só voltar (na melhor das hipóteses) em DVD.

Dos autores mais reconhecidos chegam-nos na secção Observatório The Bad Lieutenant: Port Of Call Nwq Orleans e My Son, My Son, What Have Ye Done, ambos de Werner Herzog; Napoli, Napoli, Napoli de Abel Ferrara e ainda Accident de Cheang Pou-Soi. No Cinema Emergente temos destaque para o premiado Lebanon em Veneza, de Samuel Maoz; Beeswax de Andrew Bujalski; Burrowing de Henrik Hellström e Fredrik Wenzel e o bizarro Humpday de Lynn Shelton. Na Competição Internacional as propostas mais aliciantes são para o Estado d'Arte La Bocca Del Lupo de Pietro Marcello, Guerra Civil de Pedro Caldas, La Mujer Sin Piano de Javier Rebollo e The Robber de Benjamin Heisenberg.

Também no IndieJunior e no Indie Music encontramos frescas novidades. No primeiro, a originalidade de 9 ganha par com a animação japonesa de Imaishi ou Katayama, existindo ainda vários workshop pelos dias do programa. No segundo, há documentários-filme sobre os Doors, Stephin Merritt (Magnetic Fields), Leonard Cohen, Villalobos ou o famoso festival All Tomorrow's Parties. Há ainda documentários produzidos pelo Music Box que incidem sobre J.P. Simões, X-Wife, Micro Audio Waves e Terrakota.

A programação de curtas é igualmente extensa, destacando-se uma retrospectiva sobre a obra de Ben Rivers, a decorrer no Culturgest.

O IndieBus percorrerá o circuito que liga as salas de cinema na cidade e existem ainda festas temáticas no Maxime e no LuxFrágil. O primeiro faz as honras de abertura hoje com Gonçalo Gonçalves e o segundo no próximo sábado.

Para consultar a programação, clicar aqui

1 comentário:

joão amaro correia disse...

bolas, este blog deve dar uma trabalheira.
mas nós agradecemos. e muito.

j